Translate

My MTB has DIABETES

Diabetes is something that cycling with me since 21 years ago, I’m 41. The blue O Project regarding the disclosure of diabetes disease associated with the practice of MTB, talking, discussing and to clarifying some aspects, from who has to deal with these two situations simultaneously.

IRONMAN 70.3 Cascais Portugal


Bom desporto,
Em Dezembro de 2016, já na meta, após terminar a Corrida dos Madeiros, a São Silvestre de Castelo Branco, numa conversa de amigos ouvi que Cascais iria receber o Ironman 70.3 no próximo ano.
Referi uma coisa do género “isso é a cereja no topo do bolo de qualquer amante do desporto, mas eu sou diabético e não posso comer muito bolo…”.

Desportista amador sem um seguimento profissional no plano nutricional e físico, e diabético, a iniciativa era atrevida, mas “atirei a seta”!
As garantias financeiras vieram de apoios já de longa data, mas numa conversa informal no trabalho e do que represento para os colegas surge a garantia para fazer a inscrição, fruto do que cada um retirou do seu salário. Criou-se assim os logo "amigos da diabetes".
Foi um fim-de-semana louco, 2200 atletas, mais de 70 países, a entrega dos sacos de transição foi passado para as 4:30h de Domingo, o dia da prova. Com 4 horas de sono a minha diabetes ia dando noticias - hiper - com contagem de hidratos feita e a correção tomada, as devidas reduções pelo esforço que iria despender, é aquela parte da “tabuada”, aliada ao tiro no escuro, mas sabendo qual é o alvo que se pretende acertar… Mas os nervos!!!

A natação era o "handicap", saí na última “caixa” a dos mais de 45min. para fazer os 1,9Km de natação que no meio tinha uma “australian exit” - uma passagem a correr pela praia e nova entrada na água para o resto do percurso.
Nos 40K da bike parei para corrigir a glicémia, não descia, sem comida, só bebia eletrólitos e água. Mais de 45min. para a tendência começar a descer, já a chegar à nova transição para a corrida, comecei a comer.
Aqui foi a loucura, 5K para lá e 5K para a baía outra vez, com o público a “puxar” pelo teu nome em várias línguas, a família a apoiar, um som ensurdecedor. A chave é o controlo, o FreeSyle Libre é impar, vamos a par de tudo, acho que não falhei nenhum abastecimento, água, cola, eletrólitos, fruta, água, os chuveiros…
Escrevia como resposta a um amigo, “a superação do ser humano aumenta-lhe a sapiência, sobretudo porque nos refina os medOs”. Depois disto a minha diabetes ficou metade de ferro, sempre comi a cereja! Define objetivos por pequenos que sejam, esse é o primeiro passo para aprender mais.
Desporto bom,
casf

Grande Prémio de Atletismo - Casa Benfica CB


Boas corridas,

Nada melhor que duas voltas de 5K para por a conversa em dia!
No final breve incentivo à pratica desportiva, na condição de pessoa com diabetes e sobre a nova ADBB-Associação de Diabéticos da Beira Baixa.
Temos de mexer com isto...
casf

Projecto blue O
#ChangingDiabetes - Novo Nordisk Portugal
Vitargo & Energikakan - #vitargoathlete
GripGrab
Polisport Bicycle
Silincode Portugal
Garmin Portugal - Ciclonatur
FeelsBike
Freego Bolsas Para Insulina
Abbott FreeStyle

1ª corrida Forum Castelo Branco, 10K




Boas corridas,


123mg/dL em jejum, corrida na cidade organiza pela equipa ABCansado TRAIL, era "carta branca" para comer bem ao pequeno-almoço...



Os procedimentos são sempre os mesmos, ligeiras reduções nos rácios das insulinas (só 10K), comer mais, levar um gel para O acasO, manter o passo, falar com os amigos, conhecer novos diabéticos, ir para casa tomar banho com passagem pela cozinha para "dar de cOmer" a uma pequena hipO.


Corridas boas,

casf

Projecto blue O
#ChangingDiabetes - Novo Nordisk Portugal
#vitargoathlete - The greatest carbohydrate Vitargo & Energikakan
GripGrab
Polisport Bicycle
Silincode Portugal
Garmin Portugal - Ciclonatur
FeelsBike
Freego Bolsas Para Insulina
@FreestyleLibrePortugal

V Meia Maratona Castelo Branco-Alcains 25/04/2017



Boas corridas,

Este ano "libertei-me" porque levei o Libre, escolhi o 25 de Abril.

Deixo de poder desculpar-me "parei para medir a glicémia", mas há sempre um mas.


Ao 5K ia a mais de 200mg/dL - bebi H2O - aos 10K e 15K e ao 18K a tendência mostrava sempre "descida", parei para trincar bananas, laranjas e águas...



Foram 21K bastante proveitosos, mais treino, mais e menos caminhadas sem cão...

Corridas boas,
casf

PS - O #FreeStyleLibre não é um ditador sobre a nossa diabetes, é sobretudO um camarada...


II Clássica de Idanha-a-Nova


Boas pedaladas,
Este fim-de-semana decorreu, inserido na Maratona de Roma, o 1º Campeonato Europeu de Maratonas para atletas diabéticos, ficou-me “atravessada” a minha presença… Não tendo conseguido o apoio necessário para ir correr a Roma, fiz 25min. de carro até à “II Clássica Ciclismo Idanha-a-Nova”.
Acordei com 152mg/dL, compensei com rápida o que comi ao peq.almoço e reduzi a basal, os procedimentos normais…

 1ª Vez a participar numa prova deste género, com os vídeos que iam sendo apresentados, os relatos dos amigos, assemelha-se com as “clássicas” de Flandres com secções de “pavé” e este ano até “sterrato”, na versão Granfondo 152K, fiquei-me pelo Médiofondo 85K.
Sou amante do ciclismo há muitos anos, mas nunca tinha realizado uma prova assim, coloquei tudo nos bolsos, comida, telemóvel, as ferramentas para alguma eventualidade… “No BTT fico com os bolsos mais cheios!”, pensei...

Deram a partida e ao meu ritmo já estava praticamente nos últimos. Para Proença-a-Velha com o vento a bater de frente, uns companheiros indicaram-me “vinha-mos na tua roda, vem também, ufff, pois é!!!”
A subida do Valado já em Monsanto, adorei, ainda mais por ser leve, mas a descer no pavé um magro treme que se farta!!! Não velei uma banana, ainda não tinha comido nada, desde que começara só bebia do Vitargo Electrolyte, ao passar ao lado de Idanha-a-Velha já não tinha “gasolina”.


No 1º abastecimento percebi porque subi sem percalços e no BTT os meus bolsos vão mais cheios, não levei a máquina para medir a glicémia!!! Estava em hipo, comi e bebi tudo a que tinha direito, e ainda saí de lá com borrachões debaixo do jersey, saí feliz, contente e a trincar…
No meu entender, nos 85K, os abastecimentos podiam estar melhor divididos, o 1º depois dos 40K, o 2º, já no Ladoeiro, a 15K do final, sem ter notado por pontos de água pelo meio - enchi numa fonte à saída de Monsanto porque conheço - mas em pleno Verão seria duro.
Cheguei à meta satisfeito e em condições, 142mg/dL já com banho tomado e a digerir o Vitargo Protein fui direitinho para o almoço. A repetir de certeza.
Pedaladas boas,
casf

#vitargoathlete - The greatest carbohydrate Vitargo & Energikakan
Garmin Portugal - Ciclonatur

V Trail de Oleiros


Boas corridas e caminhadas,


Passados 3 anos voltei ao Trail de Oleiros, “felizmente”, por mais tempo que passe, como a diabetes é uma doença crónica, hei-de voltar sempre diabético!

Em 2014 fui convidado para falar de diabetes na prática desportiva, iniciei aí as poucas palestras até ao momento, em que falo da relação entre pessoas com diabetes e o desporto que realizam, a vertente é sempre a mesma, tirar proveito dessa prática desportiva como complemento do tratamento da doença…

Preparámos tudo cá em casa e saímos os 3 rumo a Oleiros, dois para a caminha e um para os 28K...

Um foguete “bomba” da Pirotecnia Oleirense marcou o início. No 5K enganei-me!

Não vi as placas confesso, talvez tenha seguido o atleta que saiu antes, não prestei atenção ao briefing, ninguém me avisou, sei lá, parece aquela história do copo meio cheio ou meio vazio!

No 1º abastecimento sólido - que deveria ser o penúltimo - desconfiei, corrigi uma hiper que trazia e bebi uma cevada para aquecer os ossos, chovia mas pouco.

Saí a pensar se estava onde queria ir! Abrandei o andamento, pensava que tinha muitos kms para fazer, mas quando vi os gráficos de altimetria colocados nas árvores, assim como a distância onde íamos nos diferentes percursos, convenci-me!!!

Antes do abastecimento a 2/3K da meta, questionam-me:
“...mas já és o 1º dos 28K?”
Respondo resignado, “agora sei, mas que fui o 1º dos 28K a enganar-me…”.

Foi bom mas soube a muito pouco, resultado, o resto do dia a glicémia assistiu à imensa chuva que caiu a tarde toda, se lá tenho andado nos 28K!!! I'll be back...
casf

7º Trilho dos Abutres

Boas corridas,

Acordei com 142mg/dL, do procedimento normal, desta vez, reduzi um pouco mais a insulina lenta. Não o devo voltar a fazer…

Após levantar o dorsal encontrei o Vitorino Coragem e “atirou-me”: “é a 1ª vez nos Abutres? Vais ver que vais gostar, está fresco, está bom!” Combinei estratégias com a “minha logística”, controlo zero, aparece o meu amigo José Amaro com a disposição ao rubro. Às 10:00h saímos para a luta, nos primeiros kms parecia que já estávamos na subida maior!!!

Até a Srª da Piedade foi sempre a aquecer, ao 10K em plena subida, medi 247mg/dL. Talvez da concentração do Vitargo Electrolyte algumas dentadas na barra 323 Energy, mas fiquei surpreso, as subidas não eram simples! No abastecimento só bebi água, diluí uma das garrafas de Electrolyte, comi uns amendoins salgados e agarrei uns pedaços de laranja e banana e vai de subir, subimos e mais subidas, uma descida e voltamos a subir e passados mais 12K chegamos a Gondramaz (K22)... A minha gente já lá estava, mas quem encontrei de imediato foi a Marlene; “o Sérgio está um pouco atrasado mas não esperes, continua”. O Sérgio Moreira é “nosso” homem das ultras, andava no trail dos 50K, só para quem tem todas as forças no sítio, repito “todas as forças”!

Em frente ao abastecimento lavei as mãos na fonte e medi mais de 300mg/dL. Para lá chegarmos tivemos de subir bastante, duro, mas duro, a beber do Vitargo já diluído, só se subiu pelo acumulado positivo que fiz… Dei 3 unidades de rápida, contam-se pelos dedos de uma mão as vezes que dei insulina durante uma prova. Amendoins, uma fruta, substitui uma garrafa só com água e sai de lá a correr, era a descer.




Pelos trilhos dos Abutres escorreguei tantas vezes como os metros de subidas, ou mais! Numa linha de água algures a desviar-me para os mais rápidos passarem falhou-me a mão numa passagem - quase ao estilo da via ferrata - foram quase 2 metros em “parafuso” e ainda não estávamos no verdadeiro trilho da lama. Que tratamento, consegui ficar atolado até aos joelhos, se me desviava para um lado picava-me nas silvas, para o outro doía-me mais a virilha, foi serrar os dentes e pensar nas 6h de objetivo, superei-me, 5h:55min. Depois do banho e frio com a Vitargo Protein e antes de comer, 122mg/dL. É preciso uma paciência!!!

Este é o tipo de trail que mais gosto, muito técnico e custoso de progredir, exige da nossa atenção, dificilmente escapamos da lama - se tivesse chovido então é que era - a beleza dos obstáculos ultrapassados, enaltece-nos a cada passo, no fim levantamos os braços…

Como a diabetes é para a vida, tenho de equacionar uma descida acentuada da lenta, já não me lembrava de um episódio assim. A prova era de muito esforço e longa - para o que costumo fazer em trail - mas a glicémia durante este esforço não lhe encontro explicação.

Corridas boas,
casf

Projecto blue O
#ChangingDiabetes - Novo Nordisk Portugal
Vitargo - The greatest carbohydrate Vitargo & Energikakan
GripGrab
Polisport Bicycle
Silincode Portugal
Garmin Portugal - Ciclonatur
FeelsBike
Freego Bolsas Para Insulina

Trilhos dos Reis 2017, 24K




Boas corridas,
O ano começou bem, e em 2017 há muito para fazer…
De manhã reduzo sempre a insulina basal, corrijo com insulina rápida - o que como durante esse pequeno almoço - sobretudo porque iam passar mais de duas horas antes da partida, evitando assim uma subida na glicemia antes de começar o evento.
Trocaram de nome, mantiveram a simpatia e a qualidade, a festa e a alegria de toda uma cidade é total.
Saí praticamente do fim o que representa para mim chegar, ainda, mais tarde, mas 700 atletas serra acima é muita gente. Reconheci algumas passagens do ano anterior mas achei-o menos técnico, mas é que me doem as pernas!!!. No inicio da 2ª “parede” medi a glicémia, 178mg/dL, mas já vinha a comer da barra Vitargo Endurance antes do 1º abastecimento; banana, laranja, boleima, frutos e bolos secos, coca-cola, fui diluindo o Vitargo Electrolyte, mesmo no inverno a hidratação para um diabético é muito importante.

Antes do 2º abastecimento, na descida da Vicentina, encontrei o bObO do Rei, retratamos os sOrrisOs de quem aprecia o desporto ao ar livre, já perto da meta um membro da organização perguntou-me se estava tudo bem: “tudo impecável” respondi e ainda disse “mas com chuva é que era bom”, tive de sair de lá a correr…
Corridas boas,
casf