Translate

My MTB has DIABETES

Diabetes is something that cycling with me since 21 years ago, I’m 41. The blue O Project regarding the disclosure of diabetes disease associated with the practice of MTB, talking, discussing and to clarifying some aspects, from who has to deal with these two situations simultaneously.

Maratona Internacional "Trilhos do Lince"



Boas pedaladas,

Esta maratona tinha-me a pensar há já alguns dias, principalmente depois de aparecer o gráfico de altimetria, é que marcava “uns” 90km...

Este ano impus-me fazer maratonas maiores, mas o querer nem sempre é poder ,quando se tem diabetes e não se treina para tal, é mais difícil de atingir esse objetivo.

Preparei a minha “poção mágica anti-hipo” da Sponser, Long Energy, mas como era a primeira, as proporções, não tinha medidor… ficou um pouco diluída, mas levei outro tanto para depois...

Em jejum às 6:41h medi 139mg/dL, reduzi, drasticamente, as unidades de insulina e aviei um pequeno-almoço pró dia que aí vinha!

A saída foi depois das 9h, lá do cimo de Penamacor, separados por n. de dorsal depressa se juntaram os mais de 200 participantes. As descidas vertiginosas faziam antever umas subidas iguais! Por entre matas de pinheiros em que o pó e as pedras agravam o avançar da caravana depressa nos separamos. Tentei ir na roda de alguns amigos mas as suas pedaladas são MAIORES e a maratona andava-me na cabeça!

Na 1ª zona de abastecimento às 10:28h medi 95mg/dL, “isto está controlado, pensei” pelo sim pelo não ataquei nas iguarias; laranja, banana, barras, uma madalena para a viagem, diluí mais o Sponser e rumei a Espanha, uns quilómetros à frente a separação das maratonas. Das várias passagens de rio algumas “lavei” os sapatos fazendo “descansar” do calor que se fazia sentir, para um mês de Março sem chuva. Este trajeto foi praticamente sozinho passando aqui ou ali por alguém e vice-versa.


Oléé... Cheguei a Valverde del Fresno “isolado”, eram 12:19h (portuguesas) e meço 93mg/dL com 45km percorridos. A zona de abastecimento era em plena Av. D. Santos Robledo onde se notava um deambular típico espanhol que bastante admiro! Perguntaram-me se era o último, admirado, respondi que tinha passado por alguém mas dos 10 minutos que restei aí só vi partir, não apareceu ninguém. Comi laranja, banana, mini palmiers, bebi coca-cola, refiz novo bidon de Sponser, abasteci com outro tanto e continuei, sabia que seria a pior parte do percurso, 15km sempre a subir, começando pelo “Valle Y Egidos II”.


O muito pó, a longa subida e a solidão, foram as condições que me “tentaram” convencer a desistir mal chegasse lá ao cimo com 60km nas pernas. Durante a subida o psicológico “atrapou-me”. As possíveis horas a que chegaria ao final, o cansaço elevado, a condição de diabético, levam-me a abandonar mal vislumbro os bombeiros, dos vários espalhados ao longo do percurso. Enquanto conversava com um rapaz que tinha desistido por uma semana de gripe - dificuldades respiratórias - eis que aparece uma rapariga, pediu água e preparando-se para se fazer ao caminho lhe questiono:
SEGUES???
Ao qual a rapariga responde:
Sim, o pior já passou!
Espera, vou contigo, disse eu!



Não sei porquê mas talvez da calma com que falou fez-me agarrar na LuxO e tornar a pedalar, quando minutos antes já estava mais que convencido de ir acabar ali mesmo.

Falamos pouco, nunca lhe perguntei o nome, mas fomos “olhando um pelo outro”. As descidas da Serra da Malcata são pedregosas, grandes e soltas, tornando-as bastante perigosas e como não podia deixar de ser as subidas são inclinadas, sabia-o, era repetente a minha amiga, conhecia bem o sítio onde pedalávamos.

Confesso que não sei como mas os quilómetros seguintes foram feitos num pedalar normal, recuperei o ritmo e sobretudo o ânimo, até uma zona de água em que nos perguntaram por mais alguém para traz. A minha “parceira” falou em 7 pessoas…

Depois de mais outros tantos altos e baixos chegamos à 3ª e ultima zona de abastecimento com um acumulado de uns 70km. Voltei a comer para os restantes 20km ainda passou um rider que se lamentou de ter enganado no caminho, mas como se nada…



Mais outra valente subida, esta, feita com a LuxO ao meu lado, o trilho por baixo dos pinheiros, em que tive de ligar para casa “dando conta da minha posição no globo terrestre”, a longa descida vertiginosa e não menos perigosa, outra passagem de ribeira, já parecia “cheirar” a Penamacor, quando passam dois espanhóis por nós, tinha passado por eles de manhã, antes de chegar a Valverde.

Com as porções de marmelada, as barras de cereais e alguns rebuçados tudo comido (não cheguei a utilizar o Gel Vitargo), eram perto das 16:30h começamos a pensar que os anunciados 85km não se iam concretizar. Eu tinha a noção de 90km, a minha companheira tinha um GPS que tinha menos 3 km percorridos que eu, passamos por alguém que já tinha furado e entretanto partido a corrente, andando com a bicicleta à mão, e não víamos a entrada para a vila quando nos deparamos com o castelo ao longe.

Chegamos à estrada de alcatrão que antecedia o empedrado pró castelo de Penamacor, subimos e se já achávamos estranho tantas voltas com um acumulado tal de trás, mais despropositado foi a subida nos moldes apresentados, a envolvência do castelo deixou de fazer o efeito que se pretendia quando o esforço já vai no limite, neste caso prolongado por mais de 10km.

Havia uma ovação para a atleta logo na curva antes da meta onde nos colocaram a "medalha", no meu caso passei de desistente a persistente! Para nunca mais repetir… Ou não!



O meu sincero OBRIGADO a SANDRA CORREIA.
Agnelo, OBRIGADO pelas palavras e alguma foto…

Distância total no meu conta-quilómetros: 99.78km (depois da meta e até ao carro);
- Média de 13.3 km/h
- Calorias gastas 5595...
- Tempo total 08:54:47horas (8:22:43horas na prova, 7:27:41horas só a pedalar)
- Posição: último, dos 63 que acabaram.



Pedaladas boas,
casf


English:

Good rides,

This marathon had me thinking since a few days ago, especially after seeing the chart altimetry, which marked 90km...

This year I plan do bingers marathons, but wanting is not always able to do it, when you have diabetes and don't train for it, is more difficult to achieve this goal.

I prepared my "magic potion anti-hypo" of Sponser, Long Energy, but it was the first one, the proportions, had no meter... got a bit diluted, but I took some for later...

Fasting at 6:4am I measure 139mg/dL, I reduce, dramatically, my insulin units and had a breakfast proper for this day!

The departure was after 9am, from Penamacor top village, separated by dorsal number, the more 200 participants soon we gathered. The vertiginous descents did anticipate some equal increases! Amidst pine forests in the dust and stones aggravate the caravan progression and soon we separated. I tried to go in some friends wheels, but they have BIGER cycling and the marathon “walked in my head”!

In the 1st supply area at 10:28am I measured 95mg/dL, "that is controlled, I thought" just in case I attacked the delicacies; orange, banana, cereals bars, a muffin for the trip, I dilute even more the Sponser and headed to Spain, few kilometres ahead the marathons separation. From the several river passages, in some I "washed" my shoes "rest" from the heat was felt, for a March without rain. This trail was almost alone passing here or there by someone and vice versa.

Oléé... I arrived to Valverde del Fresno "lonely" at 12:19pm (Portuguese time) measuring 93mg/dL with 45km covered. The supply area was in the middle of Avenue D. Santos Robledo where I glimpse the typical Spanish "walking" that I quite admire! They asked me if I was the last one, surprised, I answered that I passed by some, but the 10min. I had rest there, no one came. I ate oranges, bananas, mini palmers (cakes), drank Coke, make a new Sponser "anti-hypo", I refuelled with more and continued, knew it was the worst part of the course, a 15km climbing, starting though "Valle Y Egidos II".


Dusty, the long climb and loneliness were the conditions that "persuade" to convince me to give up will get the top with 60km on bought legs. During the ascent the psychological "caught me". The possible time to the end, high exhaustion, my diabetic condition, lead me to abandon just before I saw the fire-fighters, from the several spread along the route. While talking with someone who had given up a week of flu - breathing difficulties - there's a girl that appears, asked for water and preparing to make his way I question her:
You FOLLOW??
The girl replies me:
Yes, the worst it's over!
Wait, I'm going with you, I said!

Not sure why, maybe the calm with which she spoke made me grab the LuxO and started cycling, when minutes before was more than convinced to quit right there.

We rather spoke, never asked her name, but we were "looking for each other." The Malcata Sierra descents are rocky, large and loose, making them very dangerous and as well the climbs are inclined, she knew it, was repeater, she cycling there before.


I confess I don't know how but the next kms were made on a normal cycling, regained the pace and especially the mood, to one water spot where we were asked by someone else behind. My "partner" spoke it seven riders...

After so many ups and downs we reached the 3rd and last supply zone with a cumulative of about 70km. I eat again for the remaining 20km as passed a rider who complained of having deceived the way, but as if nothing...

Another higher climb, this one made with the LuxO by my side, the track beneath the pines, I had to call home "giving feedback from my position on the globe", the long and precipitous decline no less dangerous, other passage of the stream, already seemed to "smell" Penamacor, when passed by us two Spanish riders, I had passed by them in the morning, before arriving to Valverde.

With my jam portions, cereal bars and some sweets, everything eaten (I did not get to use Vitargo Gel), were close to 16:30pm we start thinking that the advertised 85km would not materialize. My notion where 90km, my mate had a GPS that had less 3km travelled, we passed by someone who had stuck the bike chain, before a hole, he walking with the bike by hand, and we did not see the entrance to the village when we faced the castle far way.

We reached the paved road that preceded the pavement to Penamacor castle, we climbed up and if we thought strange so many "turns" with a higher accumulated behind, these rise was more foolish in this manner, the castle surroundings stopped doing what it was intended when the effort will on the edge, in this case increased by more than 10km.


There was a big ovation for the athlete right in the curve just before the finish line where they put the "medal", in my case I went from a quitter to a persistent! To never again... or not!

My sincere THANK to SANDRA CORREIA.
Agnelo, THANKS for your words and some pic...

- Total distance on my odometer: 99.78km (after the goal and to my car);
- Average of 13.3 km / h
- 5595 calories expended...
- Total time 8:54:47hours (during race 8:22:43hours, 7:27:41hours cycling)
- Position 63rd: last one from which ended up.

Cycling good,
casf

5 comentários:

  1. Boas Carlos. Foi uma prova épica, e se os cerca de 100 km com mais de 2200 de acumulado podem não parecer muito para os mais treinados, sei que para ti são uma grande conquista (mal posso imaginar a força de vontade que tiveste para concluir esta prova). Para além disso temos que pensar que os cerca de 15 km feitos na reserva da Malcata, com as dificuldades de terreno e o piso agreste que tem, acentuam ainda mais a quilometragem e o acumulado. Eu dar-lhe-ia mais 10 km e mais 300 de ac+. A Sandra Correia que te acompanhou, se não me engano, é uma "senhora" que já completou a Transportugal GARMIN, GEO-Raids, etc..., por isso não te admires com a sua persistência.
    "Dos fracos não reza a história."
    Mais uma vez parabéns

    ResponderEliminar
  2. Agnelo Amigo,
    2º Obrigado pelas palavras, dizem tudo de facto. Imaginas a nossa cara quando chegamos à estrada de alcatrão antes de subir o empedrado e a Organização nos perguntou: Ainda querem ir à META??? Cada um "rezou-lhes uma novena"...
    Então não? "A cereja" estava lá!
    Se me dissesem de manhã como iria acabar essa maratona dir-te-ia; impossivel de assim ser!
    Desconheço-me!
    Pedaladas boas,
    casf

    ResponderEliminar
  3. Faço minhas as palavras do Agnelo! Muitos Parabéns Carlos.

    Não deixes que essa "condição de diabético" que referes no teu texto seja mais forte que a tua convicção, força e determinação. Por vezes temos de "morder a língua" e dizer para nós próprios que a força mental supera em muito a força física! A prova disso mesmo foi a tua prestação neste desafio!

    Volto a afirmar. A maior força está na nossa cabeça!

    Parabéns Carlos
    Abraço
    João Valente

    ResponderEliminar
  4. Olá Carlos, muito obrigada pelas tuas palavras. Realmente conversámos tanto durante este tão grande desafio e nem chegámos a perguntar os nossos nomes!! Agora já sabemos! Foi excelente fazer aqueles kms na tua companhia para variar da solidão a que já estou habituada, tornou tudo mais fácil. Obrigada pelo teu apoio! Até à próxima!

    Olá Agnelo, sim sou eu. Obrigada também pelas tuas palavras. Espero que também tenhas disfrutado bastante.

    ResponderEliminar
  5. Boas pedaldas PARCEIRA,
    Com certeza que sim, pedalaremos mais vezes "isto" está-nos nas pernas e penso que falo pelos dois, se bem que tu tens uma CALMA viral é contagiante...
    Pedaladas LONGAS e BOAS,
    casf

    ResponderEliminar