Translate

My MTB has DIABETES

Diabetes is something that cycling with me since 21 years ago, I’m 41. The blue O Project regarding the disclosure of diabetes disease associated with the practice of MTB, talking, discussing and to clarifying some aspects, from who has to deal with these two situations simultaneously.

7º Trilho dos Abutres

Boas corridas,

Acordei com 142mg/dL, do procedimento normal, desta vez, reduzi um pouco mais a insulina lenta. Não o devo voltar a fazer…

Após levantar o dorsal encontrei o Vitorino Coragem e “atirou-me”: “é a 1ª vez nos Abutres? Vais ver que vais gostar, está fresco, está bom!” Combinei estratégias com a “minha logística”, controlo zero, aparece o meu amigo José Amaro com a disposição ao rubro. Às 10:00h saímos para a luta, nos primeiros kms parecia que já estávamos na subida maior!!!

Até a Srª da Piedade foi sempre a aquecer, ao 10K em plena subida, medi 247mg/dL. Talvez da concentração do Vitargo Electrolyte algumas dentadas na barra 323 Energy, mas fiquei surpreso, as subidas não eram simples! No abastecimento só bebi água, diluí uma das garrafas de Electrolyte, comi uns amendoins salgados e agarrei uns pedaços de laranja e banana e vai de subir, subimos e mais subidas, uma descida e voltamos a subir e passados mais 12K chegamos a Gondramaz (K22)... A minha gente já lá estava, mas quem encontrei de imediato foi a Marlene; “o Sérgio está um pouco atrasado mas não esperes, continua”. O Sérgio Moreira é “nosso” homem das ultras, andava no trail dos 50K, só para quem tem todas as forças no sítio, repito “todas as forças”!

Em frente ao abastecimento lavei as mãos na fonte e medi mais de 300mg/dL. Para lá chegarmos tivemos de subir bastante, duro, mas duro, a beber do Vitargo já diluído, só se subiu pelo acumulado positivo que fiz… Dei 3 unidades de rápida, contam-se pelos dedos de uma mão as vezes que dei insulina durante uma prova. Amendoins, uma fruta, substitui uma garrafa só com água e sai de lá a correr, era a descer.




Pelos trilhos dos Abutres escorreguei tantas vezes como os metros de subidas, ou mais! Numa linha de água algures a desviar-me para os mais rápidos passarem falhou-me a mão numa passagem - quase ao estilo da via ferrata - foram quase 2 metros em “parafuso” e ainda não estávamos no verdadeiro trilho da lama. Que tratamento, consegui ficar atolado até aos joelhos, se me desviava para um lado picava-me nas silvas, para o outro doía-me mais a virilha, foi serrar os dentes e pensar nas 6h de objetivo, superei-me, 5h:55min. Depois do banho e frio com a Vitargo Protein e antes de comer, 122mg/dL. É preciso uma paciência!!!

Este é o tipo de trail que mais gosto, muito técnico e custoso de progredir, exige da nossa atenção, dificilmente escapamos da lama - se tivesse chovido então é que era - a beleza dos obstáculos ultrapassados, enaltece-nos a cada passo, no fim levantamos os braços…

Como a diabetes é para a vida, tenho de equacionar uma descida acentuada da lenta, já não me lembrava de um episódio assim. A prova era de muito esforço e longa - para o que costumo fazer em trail - mas a glicémia durante este esforço não lhe encontro explicação.

Corridas boas,
casf

Projecto blue O
#ChangingDiabetes - Novo Nordisk Portugal
Vitargo - The greatest carbohydrate Vitargo & Energikakan
GripGrab
Polisport Bicycle
Silincode Portugal
Garmin Portugal - Ciclonatur
FeelsBike
Freego Bolsas Para Insulina

Sem comentários:

Enviar um comentário