Translate

My MTB has DIABETES

Diabetes is something that cycling with me since 21 years ago, I’m 41. The blue O Project regarding the disclosure of diabetes disease associated with the practice of MTB, talking, discussing and to clarifying some aspects, from who has to deal with these two situations simultaneously.

Trilhos da Cortiçada - Proença a Nova


 



Trilhos da Cortiçada 22/9/2013

 


Boas pedaladas,
 
Ser convidado para participar numa prova com base na memória do “rider diabético” do ano passado, foi muito bOm, senti-me OrgulhosO!
 
Os 15 dias anteriores ao dia 22 de Setembro “acomodei mal” umas costelas, que me levaram ao ibupofreno 600mg, mesmo antes do passeio de BTT - Trilhos da Cortiçada - Na Rota dos Moinhos em Proença-a-Nova.
 
Este ano o lema foi “pedalar por onde se moía o cereal” e assim foi durante os 60km, 35km ou os 15km, com os miúdos a não acharem graça nenhuma às passagens de linhas de água e muito menos a “picada pró moinho”...
 
 
Em jejum registei 146 mg/dL, diminuí a basal e não dei rápida. Levantei o dorsal, bebi café acompanhado de um pastel de nata, com uma unidade de insulina rápida... Talvez pelo número de eventos distribuídos na região, eramos “poucos mas bons”, onde as primeiras pedaladas foram para apurar o ritmo certo.


 
A separação de trilhos ocorreu antes dos primeiros 25km, já agrupado no “team de Tomar”, no 1º abastecimento levava 133 mg/dL. Refiz o VITARGO, bebi cola e água, duas sandes de chouriço, uma barra de cereais, bolo seco, fruta… As subidas iam começar...


Tudo isto assistindo ao seguinte dialogo - o relato é quase fidedigno - iniciou o Fernando de Tomar:
- Então o Sr tem uvas?
- Sim! (Referiu com precisão o local e o nome onde se situavam as vinhas).
- Ah, e faz a vindima? No outro dia ajudamos um amigo lá de Tomar…
- Claro que faço.
- Aqui só nos dão água e sumos, nem cerveja há!!!
Os da organização retorquiam que também queriam, mas este ano não houve hipótese. Um outro local “afinfa” que eles - organização - tinham bebido tudo na noite anterior. Estes não se ficaram; “quando ontem viemos marcar o trilho, isto de parar em todos as “tascas” tem as suas consequências”...
No meio das minhas dentadas, fiquei fulo comigo de não ter uma máquina a registar tudo...
- E não se arranja um bocadinho para provar?
- Da minha pinga? Vou já buscar um garrafão...
- É só para provar!!!
Os dois membros da organização “fizeram contas”. “Oh pá, assim vamos ter de ficar mais tempo, é que vocês são os últimos da maratona maior!”
- É boa pinga sim senhor. Para o ano tem de dizer quando, para virmos ajudar na vindima e fazer a prova!...

Fiquei com uma observação no final deste abastecimento - dos mais emotivos a que assisti - digna de nota pela maneira como foi rematada: “Vocês podiam levar um casalinho de moscas, há cá muitas!”... Ri um bom bocado!
 
 
Passados uns 10km, ao lado do trilho - em pleno caminho rural - estavam perfeitamente instalados uns “compadres” que preparavam algo:
Tomar avança:
- Há por aqui algum dos presentes que faça a vindima?
- Oh!!! Não digam aos outros que o caminho é por aqui! É claro que há vinho para beber? Querem?...
- Se há, podemos provar! Essas panelas é que são grandes!?
- Só ainda há sopa (uma das panelas continha batatas e couves a cozer)...
 

Assistindo ao episódio anterior e face as minhas “pedaladas serem de outra monta”, segui com a certeza que me apanhariam mais a frente. Cada vez que venho a Proença o calor aperta com força, o que nos leva a uma constante hidratação, ajudado pelas várias fontes distribuídas pelo percurso. O acumulado ia aumentando, e novamente na aldeia do Pergulho, se ali tinha ocorrido a separação dos percursos, ali nos juntamos. Lá no alto estava o moinho de vento que foi todo recuperado pela associação de produtores florestais de Proença-a-Nova. Neste 2º abastecimento, foi hidratar e comer uma banana e um bolo seco, já só faltavam 10 km.
 
 
No final fiquei a saber por um membro da organização, que a chanfana - prato culinário de carne velha - estava muito bem servida, o “team de Tomar” tinham ficado para trincar, chegando ao moinho já algo atrasados. Antes do almoço torno a medir 144 mg/dL.
Antes de uma subida, tens bom remédio...
 
No final da descida havia não uma, mas duas cruzes, para garantir a viragem à direita.
 
Não tive registo de hipo, nem hiper o que é bom. Porque o meu treino é amador, tenho habituais paragens, para retratar os meus textos e ao mesmo tempo me ajuda a recuperar de algum esforço, treinar estrada com pouco acumulado… Nesta semana de EASD - 49th Annual Meeting of the European Association for the Study of Diabetes discutem-se, apresentam-se diversos estudos, relatórios. Uma situação é certa, mais prevenção é necessária. Maior acesso para todos os diabéticos a bombas infusoras, e os já não tão recentes assim, medidores contínuos de glicémia - CGM…
 
Desabafei!!!
 
Pedaladas do melhor,
casf


English

Good cycling,
 
Be invited to participate in an event based on a memory from the “diabetic rider" last year, it was very good, I was so proud!
 
 
The 15 days prior to September 22nd, I "settled badly" some ribs, which led me to ibupofreno 600mg, just before the MTB ride - Trilhos da Cortiçada - On Mills Route in Proença-a-Nova.
 
This year's theme was "pedalling through which cereal was grinded" and so it was during the 60km , 35km or 15km, kids do not find funny the water lines passages, much less "the wall to the mill"...
 
 
Fasting I had 146 mg/dL, I decreased the basal and I didn’t had fast. Raised my dorsal, drank coffee with a custard tart, with a unit of fast insulin... Perhaps the number of events, distributed in the region, we were "few but good ones", where the first cycling’s were to determine right pace.
 
 
Separation tracks occurred just before first 25km, already grouped in "Tomar team", on 1st supply zone I had 133 mg/dL. I redid my VITARGO, drank cola and water, two sausage sandwiches, a cereal bar, dry cake, fruit… Climbs were going to start...
All this watching the following dialogue - the story is almost trustworthy - Fernando, from Tomar city, started:
- So, Mr you have grapes?
- Yes! (He replay with precise name and location where stood the vineyards)...
- Oh, and does the vintage? The other day we help a friend from Tomar...
- Of course I do.
- Here we only have water and juices, not even beer!!!
The two organization guys reported they wanted that too, but this year there were no chance. Another local "stress" they - organization - had all drunk last night. They persist "when we came yesterday to mark the track, stopping at all "taverns" has its consequences"...
In the middle of my bites, I was pissed off with me not having a machine to record all...
- And could we have a little to taste it?
- From my “drips”? I’ll fetch a carboy...
- Just to taste it!!!
The two organizations members said: "Oh man, now we have to stay longer, and you where the last from the big marathon!"
- Yes Sir, it's a good “drop”. Next year you say when, we came to help the harvest and take the test again!...
I quote a last sentence at the end of this supply - from the most emotive I attended to - notable the way it was said: "You could carry a couple of flies, there are plenty here!"

 

After about 10km, next the track - on a rural road - was perfectly installed a group of friends who prepared something:
Tomar take forward:
- There are here someone who do the vintage?
- Oh!!! Don’t tell the others track is here! Of course there is wine to drink? Do you want?...
- If there is, we can taste it! These pans are bigger!?
- Only there's soup (the pot boiling potatoes and Portuguese kales)...


Watching the last episode and because my "cycling is from another ride type", I followed with the certainty that I would pick up later on. Every time I come to Proença the heat squeezes hard, which leads to a constant hydration, aided by several sources distributed along the route. The accumulated was increasing, and again in the village of Pergulho, if there had been a separation of races, there, again we joined. Overhead was the windmill, all recovered by Proença-a-Nova Forest Producers Association. On this 2nd supply I hydrated, eat a banana and dry cake, from here 10km to the end.


In the end I knew by an organization member, the chanfana - a Portuguese dish with old meat - was well served, "Tomar team" had stayed to taste it, arriving at windmill a little delayed.

 
Hadn’t hypo or hyper records which are good. Because I do an amateur training, I have regular stops to portray my texts and, at the same time, help me recover some efforts - with little total ascent in road train... In this week EASD - 49th Annual Meeting of the European Association for the Study of Diabetes, discussing, presenting, and reporting several studies. Prevention is the most needed. Greater access for all diabetics to infusion pumps and not so recent the Continuous blood Glucose Meters - CGM...
 
Unburdened!!
 
Cycling good,
casf


 

Triatlo do Fundão 1 Set 2013



 
Fui treinar natação.
 
Pedi o fato emprestado ao blue O Sérgio Moreira, e suei-o bastante nos treinos.
 
Preparei a prova durante duas semanas, na tentativa de imitar as transições, com excepção para a natação, a logística não dá para tudo! Na minha versão de amador, mas apaixonado pelo desporto, o triatlo, pelo seu conjunto, fazia parte daqueles a experimentar. Actualmente a sensação é de me ter ficado atravessado na garganta…
 
Esforcei-me para não esquecer de nada em casa - as transições e o material a deixar nos parques deixavam-me stressado. Em jejum registei 152mg/dl, com o que ia despender no esforço, não toquei em doces e coloquei uma unidade de rápida e reduzi duas unidades de basal.
 
O meu stress galopava enquanto deixava as sapatilhas no Parque de Transição 1, já a Canyon Ultimate AL estava na camioneta que levava as bikes. Dirigi-me ao bus que nos ria transportar para a barragem da Capinha. Com os 4 atletas que falei - veteranos - todos me tranquilizaram, um é meu amigo.
 
Na barragem fui buscar o dorsal, a touca e o ship.
No PT2 coloquei tudo no cesto - mal sai-se da água - sapatos, capacete, óculos, Vitargo Electrolyte, barra energética, banana e medi a glicemia; upa, UPA: 322mg/dL!!! Os nervos sobem ou não sobem a glicémia? De repente rebenta um pneu numa bicicleta e regista-se uma deslocação de atletas para ver quem tinha de imediato substituir o pneu. Estava tudo ao rubro, eu, tive de acalmar com 2 unidades de rápida...
 
Dos 150 atletas presentes, talvez 10 não eramos federados. Sem fato isotérmico e sem depilação efetuada nas pernas, “informaram-me” que teria de "dar mais braçadas"! Dentro da água e depois da partida, tentei não me atrapalhar com a sensação, que não me sendo desconhecida, não é habitual - ir atrás dos outros - ainda nervoso parecia estar a ter uma hipo - não tinha nada para comer - mas havia barcos da organização, íamos alguns atletas ao pé dos outros. Estendi as braçadas e acalmei-me, fui ao meu ritmo... Os primeiros faziam um barulho estranho do aglomerado e da rapidez das suas braçadas.
 
Saí da água já só havia umas 6 bikes, comecei com a banana e agarro na bike - esse era o pior troço do trajeto de bicicleta - no fim da descida sinto uma pancada forte e seca na roda da frente. Imediatamente sinto a roda traseira em baixo - não transcrevo o que pensei - e procedo à troca da camara de ar, já era o ultimo quando o carro da GNR, que fechava o percurso, me pergunta;
- Está tudo bem?
- Sim, sim, já enchi o pneu, arranco já! #&%$&/$.. Afinal não, também tenho a roda da frente furada!
- Desiste?
- Pois... assim não dá!
 
Esta foi a minha 1ª experiência no triatlo, diferente do que estou habituado, BTT. Se tudo correr bem, esta versão sprint, em 1:30h fica feita, diferente das 4/5horas que pedalo enquanto faço 70km, por exemplo… Nestes exemplos, o controlo da diabetes tem parâmetros diferentes. A consulta com amigos é bastante proveitosa.
 
 
As unidades de insulina rápida e basal deverão ser as mesmas que um dia normal. A intensidade do esforço é anaeróbio. Uma banana antes, um gel e o isotónico devem ser o suficiente para não fazer hipo, depois é compensar. A ver vamos! Já o Terminator o disse na hora certa: “I’ll be back!”
 
Desporto bom,
casf
 
-//-
 


 
English
 
I had a swimming practice.
 
I ask a triathlon equipment loaned to blue O Sérgio Moreira, and I sweated enough training.
 
I prepared myself for two weeks in an attempt to copy the transitions, except for swimming, logistics don’t let me do everything! In my amateur version, but sports passionate, triathlon, it was part of those to try. Currently it feels like I have it traversed in my throat...
 
I struggled to not forget anything at home - transitions and the material to leave on the parks left me stressed. At fasting I had 152mg/dl, whit I would expend in sport effort, I didn’t touched in sweets and put one unit of fast insulin, and reduce 2 base units.
 
My stress galloped, whiles leaving my sneakers on Transitional Park 1, my Canyon Ultimate AL was already in the truck who carry the bikes. I went to the bus out to Capinha dam. With the 4 athletes I spoke - veterans - everyone tranquilized me, one is my friend.
 
Already in the dam I was seeking dorsal, swim cap and ship.
At TP2 I put everything in the basket - barely went off the water - shoes, helmet, sunglasses, Vitargo Electrolyte, energy bar, banana and I measure glucose blood; up, UP: 322mg/dL!! Nerves rise or not glucose blood? Suddenly bursts a tire on a bicycle and athletes motion to see who need to replace, immediately a tire. Everything was running high, I had to calm down with 2 fast units...
 
From 150 athletes, maybe 10 we were not federated. With no wetsuit and without legs shaving done, I “get informed” that I would have “to give more strokes!" On the water and after the start, I tried not to mess with the feeling that it is not unknown, it isn’t usual - go after others - still nervous, it seemed I had a hypo - hadn’t nothing to eat - but there were organization boats, some athletes were next to the other, the firsts made ​​a strange noise from the cluster and the speed of their strokes. I spread out my strokes and calmed down, I went to my pace...
 
I left the water there were only about 6 bikes, I started with the banana and grab the bike - that was the worst stretch of the bike path - on descent end I felt a sharp blow in the front wheel. Immediately I feel the rear wheel down - I don’t transcribe what I thought - and proceed to exchange inner tube, it was when GNR car (National Republic Guard), which closed the route, ask me;
- Everything is all right?
- Yes, yes, I filled the tube, I leave now! #&%$&/$... After all no, I have front wheel down too!
- Give up?
- Yah... can’t continue like that!
 
This was my 1st triathlon experience, different from what I'm used to, MTB. If all goes well, this sprint version in 1:30h is finished​​, different from 4/5hours while cycling when I’m doing 70km, for example... In these examples, diabetes control has different parameters. Consultation with friends is very profitable.
 
Insulin units basal and fast should be the same as a normal day. This exercise intensity is anaerobic. A banana before, gel and isotonic drink should be enough to didn’t have a hypo. We'll see! Terminator told us on the right time: "I'll be back!"
 
Good sport,
casf